PUBLICIDADE
Poesia de Daniela Delias e carnaval inclusivo em destaque no segundo dia de Feira do Livro
03/02/2020 13:55 em Novidades

Principal evento da noite, Patrona falou sobre sua história com as palavras e com a universidade

 

De onde vem a poesia de Daniela Delias? Quem participou do Encontro com a patrona da 47ª Feira do Livro da FURG na noite de ontem, 30, a ouviu dizer: da palavra. “Pra mim, muitas vezes começa por uma palavra e pela ideia, talvez, de subverter a ideia mais esperada daquela palavra. Acho que a poesia é isso, a possibilidade de causar alguns buracos, alguns rompimentos, que façam com que a gente não aceite a palavra exatamente como ela é e nos leve a um outro lugar”, disse a um público atento, no Espaço Literário. Estavam presentes na atividade a reitora da FURG, Cleuza Dias, o vice-reitor, Danilo Giroldo, o pró-reitor de Extensão e Cultura, Daniel Prado, e a patrona da Feira do Livro em 2018, Aimée Bolaños.

As formigas, os pássaros, os detalhes do cotidiano valorizados pelo avô na infância; a música de Belchior, de Milton Nascimento, de Secos e Molhados que aprendeu a amar pelos ouvidos da mãe; o poder de transformar pela palavra as coisas em outras que Mario Quintana apresentou primeiro, com Apontamentos de história sobrenatural, na Livraria Mundial de Pelotas, onde aos 13 anos Daniela ficava lendo após a aula. Depois vieram Mario Pirata, Paulo Leminski, Alice Ruiz, e de algum tempo para cá, a leitura das mulheres poetas, como Adélia Prado, Alejandra Pizarnik, Hilda Hilst e Ana Cristina Cesar. A chegada à FURG e o começo do curso de Psicologia. A docência voltada à clínica. A imagem que motiva afetos. De tudo isso que é fundamental e se conecta em seu universo criativo Daniela contou um pouco, e recitou poemas de seus livros Boneca russa em casa de silênciosNunca estivemos em Ítaca e Alice e os dias.  

Mais cedo, na Arena Cultural, o segundo dia de feira foi marcado também pelo lançamento do CD de paródias do Bloco “Os 100 Limites”, formado pelos alunos da Escola de Educação Especial José Alvares de Azevedo, Apae, Amar, Apecan e pelos integrantes da Associação de Pré e Pós-transplantados. O projeto, dirigido pela cantora Luciana Lima, transforma marchinhas tradicionais de carnaval em músicas “inclusivas” – que entoam versos sobre respeito, inclusão e acessibilidade. O bloco despediu-se da feira com desfile pelo corredor principal. O CD é vendido por R$ 5,00 e o abadá do Bloco pode ser adquirido por R$ 20. O dinheiro arrecadado será doado para as instituições. O Bloco ensaia todos os domingos até o carnaval na avenida Rio Grande a partir das 20h e desfila no carnaval do Cassino nos dias 23 e 24 de fevereiro.

 

No espaço Plural, ex-presidentes da Aprofurg, em diversas gestões, compartilharam visões sobre o cenário atual, lembraram histórias, em uma espaço de diálogo desconstraído. Foram recebidos pelo atual presidente, Cristiano Engelke. Na rua das crianças, teve contação de histórias e a Oficina de Criação Literária Papareinha, com o coletivo Poetas Papareias.

 

 

Lançamento do CD de paródias do Bloco “Os 100 Limites” aconteceu abriu os eventos da Arena Cultural na segunda noite de feira. Durante o encerrameno o Bloco fez uma participação na feira desfilando pelos corredores em folia.

 

 

Contação de histórias e Oficina de Criação Literária Papareinha foram as principais atividades da Rua das Crianças

 

Espaço plural abrigou o debate entre ex-presidentes da Aprofurg sobre o cenário atual da educação e do serviço público no país

 

Espetáculo

 

 

Professora Cristiane Terra, da FURG, ministrou no Espaço Literário a oficina de capacitação em Libras

 

 

Acessoria de Imprensa/Universidade Federal do Rio Grande 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE